Cookie

O Gamereactor utiliza cookies para assegurar que lhe proporciona a melhor experiência possível no nosso site. Se continuar, vamos presumir que está satisfeito com a nossa política relativa a cookies.

Português
antevisões
Super Mario Run

Super Mario Run

A Nintendo está a levar a sério a sua aposta no mercado móvel.

A assistir

Preview 10s
Next 10s
Publicidade

Um representante da Nintendo descreveu-nos Super Mario Run como "um jogo de Mario que jogam só com uma mão." Outro ponto que também quiseram deixar bem claro nesta apresentação, é que Super Mario Run não é "mais um Endless Runner" a encher um mercado saturado com jogos desse género, mas uma experiência de Super Mario adaptada aos dispositivos móveis, onde existe um princípio, meio, e fim para cada nível.

Bastaram-nos alguns minutos com o jogo para percebermos isso, que este é um jogo de Super Mario clássico em 2D. Sim, é verdade que Mario está em modo de corrida automática, mas não é isso que define a jogabilidade ou a experiência. Pelo contrário, é fascinante perceber a quantidade de truques que a equipa de produção utilizou para abrandar o ritmo de Mario e permitir desfrutar de uma experiência que se baseia na jogabilidade precisa de plataformas que é a base dos jogos Super Mario.

Bastou-nos uma secção no Mundo 1-1 para percebermos como tudo funciona. Assim que o nível arranca, Super Mario desata a correr. Sem instruções, carregamos num ponto do ecrã (qualquer ponto) para fazer Mario saltar por cima de um Goomba. Pouco tempo depois percebemos que a altura do salto de Mario depende de quanto tempo mantemos o dedo no ecrã. Depois também percebemos que é possível saltar de parede em parede com toques precisos no ecrã. Uma diferença é que os inimigos mais pequenos não matam Super Mario, e são ultrapassados automaticamente. Para morrerem precisam de chocar com algo maior ou mais letal, como picos e lava. Perder uma vida não pára o progresso totalmente, no sentido em que uma bolha salva Mario e deixa-o pouco atrás de onde foi eliminado.

O primeiro nível é facílimo, quase como um tutorial, mas é essencial para perceberem o ritmo da jogabilidade, e sobretudo o facto de que não é realmente um Endless Runner, mas um jogo de plataformas. Existem blocos vermelhos no chão que param Mario, e encontrámos vários caminhos secretos e alternativos, indicados por setas ou moedas. Os blocos com setas permitem saltar mais alto ou para trás, e até as portas fantasma na mansão de Boo fazem a sua aparição. Mais importante ainda, existe um mastro com bandeira no fim do nível, ou um machado no castelo de Bowser, o que implica uma conclusão.

Em pouco tempo vão perder as presunções que fizeram de Super Mario Run, e vão começar a adaptar a nova jogabilidade ao ritmo que sempre conheceram de Super Mario. Existem vários mundos para explorar, e cada um tem três ou quatro níveis para explorarem. Jogámos todos os níveis do primeiro e do segundo mundos- O segundo nível do primeiro mundo levou-nos para um percurso subterrâneo. O terceiro era mais estreito e labiríntico, enquanto que o quarto passou-se no castelo de Bowser. Este foi sem dúvida o nível mais desafiante que experimentámos, e tivemos de nos empenhar para evitar bolas de fogo e outros obstáculos. Pareceu-nos acessível a qualquer tipo de jogador, mas será naturalmente mais fácil para peritos no género de plataformas.

Em menos de uma hora completámos os primeiros dois mundos, e em alguns até conseguimos recolher todas as moedas roxas (estas moedas permitem adquirir bilhetes para o modo Toad Race). A progressão foi bastante rápida, mas a Nintendo garantiu-nos que os níveis começam a aumentar em nível de complexidade e dificuldade, e que o progresso abranda mais tarde. Honestamente, não nos parece que a quantidade de conteúdo vá ser problema em Super Mario Run, até porque grande parte do apelo passa pelo valor de repetição. O objetivo não é jogar para completar níveis, mas melhorar a prestação, obter mais moedas, e obter pontuações mais altas. E claro, existe uma tabela online onde vão estar as pontuações de todos os jogadores.

Super Mario Run tem claramente o ADN da série, mas é um jogo desenhado para dispositivos móveis, e isso é evidente em todos os aspetos. Os modos de jogo são um exemplo disso mesmo. O modo Kingdom Builder é uma alternativa engraçada, onde vão gerir uma pequena quinta com Toad. Não tem o tamanho ou a complexidade de algo como FarmVille, mas vai certamente apelar a alguns jogadores. E não se preocupem, Super Mario Run não tem microtransações.

A assistir

Preview 10s
Next 10s
Publicidade

Com as moedas roxas vão desbloquear bilhetes para o modo Toad Rally, que é a vertente competitiva de Super Mario Run. Dito isto, não pensem neste modo como uma corrida, porque o objetivo é vencer um percurso gerado proceduralmente. Um grupo de Toads aparecem durante o percurso e no final do evento para classificarem os jogadores e definirem um vencedor. Se ganharemi vão desbloquear mais opções e itens.

Tecnicamente, Super Mario Run pareceu-nos muito sólido, e estava a correr muito bem nas versões iPad e iPhone que experimentámos. Não podia ser de outra forma num jogo que requer saltos de grande precisão. Graficamente, é certamente um doce para a vista, com bom detalhe e cores vivas, embora as animações sejam algo limitadas e os fundos dos cenários estáticos.

Alguns fãs da Nintendo mostraram ceticismo sobre este projeto, mas o que vimos até agora deixou-nos muito sossegados com o futuro de Super Mario Run. A Nintendo tem muita experiência em criar jogos de plataformas com grande qualidade e um design fantástico, e o facto de ser um jogo móvel não parece ter travado a produtora. Se os primeiros níveis são um exemplo do que está reservado para o jogo completo, Super Mario Run ameaça ser mais um êxito tremendo da Nintendo. Mal podemos esperar por dia 15 de dezembro, com o lançamento em plataformas iOS e Android.

Super Mario RunSuper Mario RunSuper Mario Run
Super Mario RunSuper Mario RunSuper Mario RunSuper Mario Run

Textos relacionados

Super Mario RunScore

Super Mario Run

ANÁLISE. Escrito por David Caballero

Salvar princesas? Agora não, obrigado, estamos ocupados a apanhar moedas verdes.



A carregar o conteúdo seguinte