LIVE
logo hd live | Guerrilla Collective 2
See in hd icon
Português
Gamereactor
análises
Star Fox Zero

Star Fox Zero

Depois de uma longa pausa, Fox McCloud e companhia estão finalmente prontos para nova missão.

Star Fox Zero é o novo capítulo de uma das sagas mais importantes e peculiares da Nintendo, que regressa depois de ter saltado por completo a geração da Wii. Infelizmente não foi o regresso que esperávamos, e mesmo depois de termos passado muitas horas com o jogo, continuamos um pouco incertos sobre o que realmente gostámos nesta nova aventura espacial ou o que é o resultado de um grande sentimento de nostalgia.

A série Star Fox ficou caracterizada por combinar ação veloz com naves num formato tipicamente arcade, e isso continua a ser verdade em Star Fox Zero. Sobretudo porque a Nintendo decidiu juntar-se a uma produtora com créditos firmados para assumir a produção do jogo, a Platinum Games, responsável por Bayonetta e Metal Gear Rising. O resultado é um estilo de ação "à antiga", que vos irá guiar através de 12 níveis de história e oito extra com design de qualidade.

Cada nível é composto por três fases (com exceção do último), que o jogador tem de cumprir antes de avançar para o próximo planeta. O ponto mais controverso do jogo será a escolha da Nintendo para o esquema de controlos, que se prende ao sistema de dois ecrãs da consola (televisão e GamePad). Na televisão vão apreciar o jogo através de uma perspetiva na terceira pessoa, enquanto que no GamePad a ação é vista na primeira pessoa, a menos que estejam a partilhar a experiência com outro jogador no modo local (um controla os movimentos, o outro a mira). Infelizmente este sistema associado a um esquema de controlos via sensor de movimentos não resulta.

O maior problema é o facto dos sensores controlarem a mira e os movimentos do Arwing, uma realidade que requer uma dose generosa de tempo e paciência por parte do jogador. As primeiras horas de jogo podem ser particularmente frustrantes, enquanto lutam com os controlos bizarros de Star Fox Zero. Mesmo com a opção para desligar a mira controlado pelos sensores, é muito provável que precisem de algumas horas antes que consigam pilotar o Arwing naturalmente. O jogo inclui uma secção inicial de tutoriais, mas dada a complexidade e peculiaridade dos controlos, não é suficiente.

Quando começarem a dominar os controlos de Star Fox Zero e a frustração dissipar, vão finalmente conseguir apreciar o sistema de combate do jogo. É um estilo vincadamente arcade, em termos de design, estrutura, e desafio. As missões em si não são muito difíceis de completar, mas para conseguirem as 70 medalhas do jogo terão de suar bastante e mostrar grande capacidade. A longevidade de Star Fox Zero estará também ligada a esse fator, ou seja, do quanto pretendem desfrutar dos desafios que o jogo tem para oferecer.

O icónico Arwing será o vosso meio de combate principal em Star Fox Zero, mas não será o único. Também existe o Walker, que permite caminhar na superfícies, o Gyrowing que consegue planar a uma velocidade mais controlada que o Arwing, e o Road Master, que percorre as superfícies dos planetas a grande velocidade. Este último só está disponível para as missões extra, e não pode ser usado na campanha principal. Os quatro veículos são bastante competentes, e oferecem uma muito necessária variedade para impedir a monotonia.

Também não podemos esquecer o suporte para os Amiibos. Não vai existir nenhuma coleção específica para Star Fox Zero, mas o jogo será compatível com duas figuras que já existem - Fox e Falco. Se utilizarem Fox, o Arwing ganha um aspeto mais clássico, e ainda reproduz sons idênticos aos do jogo original para SNES. Um verdadeiro mimo para os fãs mais antigos. Com Falco, a nave transforma-se numa poderosa máquina de guerra, muito mais poderosa que a versão normal, mas há um senão. O nave paga o preço do novo poder através da sua resistência, por isso terão de ter muito mais cuidado com o fogo inimigo. É uma nave indicada apenas para quem já dominou os controlos.

Star Fox Zero dividiu-nos um pouco. A introdução dos controlos frustrantes, com uma curva de aprendizagem muito elevada, vai contra os padrões normais da Nintendo em termos de acessibilidade, e serão suficientes para afastarem muitos jogadores. Por outro lado, a ação de Star Fox Zero está bem desenhada e a campanha tem qualidade. Se tentarem cumprir todas as medalhas, terão aqui muitas horas de jogo pela frente, e ainda uma boa quantidade de serviço para os fãs. Em última análise, classificamos Star Fox Zero como um jogo de qualidade, mas esperávamos mais e melhor por parte desta parceria entre Nintendo e Platinum Games.

Star Fox ZeroStar Fox ZeroStar Fox Zero
07 Gamereactor Portugal
7 / 10
+
Dificuldade desafiante, mas justa. Bom ritmo para a ação. Muito serviços para os fãs. Multijogador local. Boa longevidade.
-
Os controlos requerem um período de habituação demasiado longo. Pode ser muito frustrante.
overall score
Esta é a média do GR para este jogo. Qual é a tua nota? A média é obtida através de todas as pontuações diferentes (repetidas não contam) da rede Gamereactor

Textos relacionados

Star Fox ZeroScore

Star Fox Zero

ANÁLISE. Escrito por Fabrizia Malgieri

Depois de uma longa pausa, Fox McCloud e companhia estão finalmente prontos para nova missão.



A carregar o conteúdo seguinte


Cookie

O Gamereactor utiliza cookies para assegurar que lhe proporciona a melhor experiência possível no nosso site. Se continuar, vamos presumir que está satisfeito com a nossa política relativa a cookies.