Marvel's Guardians of the Galaxy - Primeiras Impressões Antevisão - Gamereactor
Português
Gamereactor
antevisões
Marvel's Guardians of the Galaxy

Marvel's Guardians of the Galaxy - Primeiras Impressões

Vimos o novo jogo dos Guardiões em ação, e estas foram as nossas impressões.

Marvel's Guardians of the Galaxy

O grupo de heróis mais imprevisível do universo da Marvel vai mesmo ter direito a um novo jogo, desta vez produzido pela Eidos-Montreal. "Eidos-Montreal? Então vai ser estilo Marvel's Avengers?" Não, será um jogo muito diferente, no género de ação na terceira pessoa para um só jogador. Aqui irá assumir o papel de Peter Quill (Star-Lord), e não do grupo em si, o que pode parecer um pouco estranho considerando a dinâmica dos próprios Guardiões da Galáxia.

Mary DeMarle, diretora de narrativa, explicou o motivo por trás desta decisão: "Star-Lord é o coração do grupo, o elemento humano com quem os fãs mais se identificam. Além disso, como é o líder acaba por estar no centro da história e das interações entre os Guardiões." Ok, percebemos então que Star-Lord é o protagonista e o fio condutor de todo o jogo, mas a história é sobre o quê? Marvel's Guardians of the Galaxy vai passar-se muitos anos depois de uma gigantesca batalha galáctica, uma batalha que teve consequências ainda hoje evidentes. Entretanto, Peter Quill e o grupo estão decididos a fazer dinheiro fácil, e não tanto em salvar o universo, mas uma série de eventos catastróficos vão obrigar Star-Lord, Gamora, Rocket Racoon, Groot, e Drax, a lutarem pelo bem de todos (o que não significa que não possam fazer algum dinheiro no processo).

O humor e a excentricidade que têm caracterizado os Guardião na banda desenhada e nos filmes, estará também bem presente no jogo. O diálogo procura ser tão divertido quanto possível, e irá puxar pelas personalidades muito vincadas do grupo. A Eidos-Montreal quis, logo de raiz, criar a sua própria versão dos Guardiões e contar uma história original, mas sem nunca descaracterizar o grupo e a licença. O estúdio informou-nos que trabalhou de perto com a Marvel para garantir que as personagens, os eventos, e o universo em si, estão de acordo com os princípios da BD e dos filmes.

Infelizmente não conseguimos experimentar o jogo, mas vimos um pouco de jogabilidade. Embora seja uma experiência de ação e aventura, Guardians of the Galaxy também terá um pouco de RPG na fórmula, a começar pelas escolhas que o jogador pode tomar durante os diálogos. A certo ponto era preciso escolher quem seria o isco - Groot ou Rocket. Nesta sequência o jogador decidiu fazer uma votação, e Rocket acabou por ser o escolhido. Mais tarde, já no planeta, o grupo encontrou uma ponte desativada. Para passar, Drax sugeriu atirar Rocket para o outro lado, e aqui o jogador teve de escolher entre incentivar Drax a fazê-lo, ou a deixar a ideia. O jogador acabou por incentivar Drax, o que naturalmente deixou Rocket de mau humor. Não vimos o suficiente para percebermos a real escala das consequências das escolhas do jogador, mas o estúdio garante que essas decisões irão afetar a interação do grupo e a história.

Marvel's Guardians of the GalaxyMarvel's Guardians of the Galaxy

O grosso da experiência de jogo não serão diálogos e escolhas, mas exploração e combate. Na pele de Star-Lord, o jogador terá acesso às suas armas características e às bota propulsoras, o que permite uma jogabilidade frenética e ágil. Durante o combate, Peter pode invocar os seus companheiros para o ajudarem, cada um com funções e papéis específicos. Depois de chamado, um companheiro ficará indisponível durante algum tempo, e o objetivo passa por obrigar o jogador a pensar bem no Guardião - e na respetiva habilidade - que vai chamar dependendo da situação. Groot tem habilidades curativas, Rocket causa imenso dano com os seus explosivos, Drank pode atrair inimigos, e Gamora consegue apanhar os oponentes de surpresa, causando grande dano. Star-Lord pode ainda ativar um ataque especial, depois de ter causado vários disparos em sequência, e durante esse período, os Guardiões podem ser usados sem limite. No fim de cada batalha o jogador será premiado com pontos de experiência, mas a Eidos-Montreal não nos mostrou como esses pontos podem ser usados.

A nível gráfico, Guardians of the Galaxy surge como um jogo colorido, que embora lembre claramente a arte dos filmes, apresenta um design único e original das personagens. Já que não podem usar o aspeto dos atores, parece-nos mais acertado seguir por um caminho único e distinto, do que algo simplesmente parecido com os filmes, como acontece com Marvel's Avengers. Mas suspeitamos que será a banda sonora a fazer furor entre os jogadores, sobretudo os que cresceram nos anos 80. Kiss, Iron Maiden, Wham!, New Kids on the Block, Blondie, e Pat Benatar, são apenas alguns exemplos dos artistas já confirmados. A música será usada durante sequências cinemáticas e como música de fundo, mas também fará parte do combate, já que Peter Quill fará questão de usar o seu Walkman durante as sessões mais intensas. Na nave, que irá visitar entre missões, até pode encontrar uma Jukebox com várias músicas.

Spider-Man, da Insomniac, é um jogo fantástico, mas Marvel's Avengers foi claramente um tiro ao lado. Não sabemos como será recebido este Guardians of the Galaxy, mas o que vimos pareceu-nos estar a seguir um caminho que nos agrada. Pode não ter a ambição de Avengers, mas enquanto experiência a solo parece-nos capaz de oferecer mais e melhor. Agora é esperar pelo lançamento, marcado para 26 de outubro.

Marvel's Guardians of the Galaxy
Marvel's Guardians of the Galaxy

Textos relacionados



A carregar o conteúdo seguinte


Cookie

O Gamereactor utiliza cookies para assegurar que lhe proporciona a melhor experiência possível no nosso site. Se continuar, vamos presumir que está satisfeito com a nossa política relativa a cookies.