Português
Gamereactor
análises
Final Fantasy XV

Final Fantasy XV

Depois de uma década de espera, finalmente, Final Fantasy XV.

A assistir

Preview 10s
Next 10s
Publicidade

A assistir

Preview 10s
Next 10s
Publicidade

Já todos conhecem o atribulado processo de desenvolvimento de Final Fantasy XV, que até nasceu como Final Fantasy Versus XIII, e a pergunta na mente de muitos jogadores é se valeu a pena esperar uma década pelo jogo. A resposta é um óbvio "não", porque nenhum jogo será capaz de corresponder a esse tipo de expetativas. A melhor pergunta será: "é Final Fantasy XV um bom jogo, digno do nome da saga?". A resposta a essa pergunta é, felizmente, um claro "sim". Trata-se de um Final Fantasy de coração e alma, e embora o protagonista Noctis seja algo irritante, por trás da sua personalidade esconde-se uma aventura memorável. É o tipo de Final Fantasy onde um rapaz pouco interessante acaba por se tornar num herói devido às circunstâncias que o rodeiam, e que eventualmente acaba também ele por conquistar o jogador.

Aliás, Noctis não é a única personagem algo irritante. O grupo de três companheiros que o vão auxiliar nesta aventura são todos algo desinteressantes na fase inicial. Não conseguimos contar quantas vezes revirámos os olhos durante as primeiras horas, mas isso muda com o passar das horas. À medida que começam a conhecer o grupo, é provável que comecem a ganhar alguma simpatia pelas suas personalidades tão dispares, mas que ainda assim formam um grupo inquebrável. Para ganharem ainda maior contexto, não só em relação às personagens, mas também sobre a estória, é importante aceder ao filme e à série de animação que a Square Enix lançou, como Brotherhood e Kingsglaive.

Antes de começarem a aventura propriamente dita devem também passar pelo modo de treino, que embora não seja muito bom, acaba por ajudar um pouco. Como outros jogos japoneses, Final Fantasy XV é algo atabalhoado na forma como treina o jogador, e até como lhe apresenta a estória, despejando-lhe muita informação pela garganta abaixo.

Mas antes de continuarmos, uma palavra para a banda sonora. Final Fantasy sempre se destacou neste aspeto, e o novo jogo não é exceção. Vão apreciar muita faixas novas e épicas, mas também sorrir com alguns toques inspirados de clássicos de outros jogos da saga. Quando estão a passear no carro têm acesso a uma rádio, onde podem ouvir algumas das faixas antigas. Aliás, sem a possibilidade de apreciar estas músicas, as viagens de carro rapidamente se tornariam tortuosas. O grupo também faz questão de interagir nestes momentos parados, conversando, cantando, assobiando, lendo, e participando em atividades deste género.

Um dos pontos mais impressionantes de Final Fantasy XV é o mundo de jogo que coloca ao dispor do jogador. Não têm de caminhar muito para encontrarem criaturas massivas, desde monstros agressivos, a dóceis herbívoros. Embora massivo, Final Fantasy XV não é nenhum Skyrim ou Witcher 3 em termos de liberdade. Têm de ir desbloqueando o mundo pedaço a pedaço, revelando lentamente mais conteúdo. Mesmo depois de avançarem, existem motivos para mais tarde regressar a áreas já visitadas, seja para desbloquear segredos, ou para enfrentarem criaturas que na altura eram demasiado poderosas. Para o tipo de experiência que Final Fantasy XV pretende proporcionar, a estrutura funciona bastante bem.

Já o sistema de combate não pode ser tão facilmente elogiado. A Square continua a lutar por uma forma de passar dos combates por turnos para combates em tempo real, e Final Fantasy XV é o jogo que mais se aproxima desse conceito. Só vão controlar uma personagem (Noctis), não existe qualquer passagem para um ecrã de combate, e o jogo vive de ataques e contra-ataques em tempo real. Não é um sistema perfeito, mas depois de um obrigatório período de adaptação, acabámos por apreciar o que a Square Enix está a tentar criar para Final Fantasy.

A assistir

Preview 10s
Next 10s
Publicidade

Continua na página seguinte

A assistir

Preview 10s
Next 10s
Publicidade

A forma como a magia funciona lembrou-nos de Final Fantasy VIII, já que têm de 'sugar' a energia mais próxima para executar magia. Para executarem os movimentos mágicos mais complexos terão de navegar menus rápidos, o que interrompe a ação, mas acaba por ser um sistema interessante e eficaz. Existem vários elementos a considerar no sistema de combate, como a habilidade de teleporte de Noctis (que ganha energia quando está pendurado nas paredes), ou o facto dos ataques laterais ou traseiros causarem mais dano.

Infelizmente existem elementos que acabam por prejudicar a diversão que o combate pode proporcionar. Primeiro, é a possibilidade de se depararem com dois combates em simultâneo. Aconteceu-nos estar a enfrentar um grupo de monstros, chegar um grupo de soldados, e o combate tornar-se numa enorme confusão. O jogo não lida muito bem com este tipo de situações. O outro grande problema dos combates é a câmara. Embora possam controlar a câmara, o jogo normalmente presume que preferem deixar a câmara automática (muitos jogadores japoneses não gostam de controlar a câmara), e o resultado é raramente eficaz. A câmara causou-nos alguns momentos de grande frustração, e é infelizmente uma falha importante no jogo.

Não vamos entrar em grandes pormenores sobre a estória, porque isso implica naturalmente estragar potenciais momentos e surpresas, mas podemos dizer que a narrativa não está tão presente na jogabilidade momento a momento, como noutros jogos da saga. Isso deve-se naturalmente à estrutura mais aberta. Depois de termos concluído a aventura (e voltámos a frisar a importância de Brotherhood e Kingsglaive), podemos referir que acabámos por gostar dos momentos que experienciámos, e a estória torna-se particularmente interessante na segunda metade do jogo. Contudo, não é a melhor estória da saga.

Se quiserem prosseguir a estória com rapidez podem fazê-lo seguindo as missões indicadas na lista, mas existe muito conteúdo extra para abordar. A qualidade e a dificuldade destes objetivos secundários variam imenso, desde tarefas tão simples como oferecer uma poção de saúde a um tipo aleatório, como seguir uma série de eventos com a sua própria mini-estória. Também existem no entanto algumas missões que já serão por demais conhecidas dos fãs do género, como ir até um sítio determinado e matar inimigos até que apanhem cinco itens específicos. Depois existem as tarefas secundárias de cada personagem, que no caso de Noctis envolve pesca - uma tarefa mais divertida do que provavelmente imaginam.

Embora Final Fantasy XV tenha muitas influências dos RPG ocidentais, ainda é um verdadeiro RPG japonês - com tudo o que isso tem de bom e de mau. Um exemplo disso são as paredes invisíveis que travam o progresso do jogador de forma rude, algo comum em jogos japoneses, mas que já desapareceu quase por completo dos jogos ocidentais. Outro exemplo são os menus excessivamente complicados, e a teimosia do jogo insistir em perguntar ao jogador se quer realmente fazer algo. Ter de desequipar as armas para as melhorar e depois voltar a equipá-las faz pouco sentido nos dias que correm, e é complicação desnecessária.

Se as raízes japonesas de Final Fantasy XV trazem consigo algumas falhas normalmente comuns ao género, também trazem algo de positivo, a começar pela originalidade do mundo e o espírito optimista das personagens. Não é abordagem realista ou séria, longe disso, mas consequentemente fez-nos sorrir em inúmeras ocasiões. Algumas dessas situações aconteceram no acampamento, enquanto observámos as fotos tiradas por Proctos (qualquer situação é boa para tirar uma foto). Existem vários locais onde podem descansar e recuperar forças, seja em motéis, caravanas, ou tendas. Aqui podem executar várias ações, incluindo pedir a Ignis que cozinhe algo para o grupo - a comida oferece grandes benefícios e vale a pena procurar receitas novas. Um problema que isto causa é a incapacidade para guardar o jogo a qualquer momento, apenas nos acampamentos, o que pode causar alguma frustração.

Apesar das falhas que lhe apontámos, estamos contentes com a forma como a Square Enix conseguir montar Final Fantasy XV. É uma aventura massiva e inesquecível, que combina boa disposição, humor, e até momentos ridículos, com batalhas épicas, sequências emocionantes, e uma banda sonora de sonho. Tem falhas, algumas demasiado evidentes, mas como um todo não podemos deixar de adorar Final Fantasy XV.

Final Fantasy XVFinal Fantasy XVFinal Fantasy XV
Final Fantasy XVFinal Fantasy XVFinal Fantasy XVFinal Fantasy XV
08 Gamereactor Portugal
8 / 10
+
Muito conteúdo. Banda sonora soberba. Jogabilidade variada. Batalhas épicas com bosses. Personagens com personalidade. Boas vozes em japonês.
-
Problemas com câmara. Menus trapalhões. Vozes inglesas muito abaixo das japonesas. Momentos importantes da estória estão noutros meios e não no jogo.
overall score
Esta é a média do GR para este jogo. Qual é a tua nota? A média é obtida através de todas as pontuações diferentes (repetidas não contam) da rede Gamereactor

Textos relacionados



A carregar o conteúdo seguinte


Cookie

O Gamereactor utiliza cookies para assegurar que lhe proporciona a melhor experiência possível no nosso site. Se continuar, vamos presumir que está satisfeito com a nossa política relativa a cookies.