Português
análises
Drawn to Death

Drawn to Death

Uma ideia original do criador de God of War, perdida numa execução medíocre.

A assistir

Preview 10s
Next 10s
Publicidade

Drawn to Death é um jogo muito peculiar, desenvolvido pela The Bartlet Jones Supernatural Detective Agency. O projeto foi liderado por David Jaffe, criador de God of War e Twisted Metal, e propõe uma série de batalhas online com a particularidade de que o grafismo se parece com rabiscos num caderno. O jogo foi oferecido aos assinantes Plus aquando do lançamento, mas pode ser comprado por € 19.99.

Drawn to Death capta de imediato a atenção do jogador devido ao seu estilo muito peculiar. A ideia é que tudo no jogo se está a passar no caderno de um rapaz numa sala de aulas, que em vez de estar a prestar atenção à matéria, está a desenhar batalhas no seu caderno (quem nunca o fez, levante o braço). Considerando o tipo de linguagem e a violência, estamos certamente a falar de um adolescente. Nota ainda para o facto de que, embora o jogo se pareça com desenho, é totalmente 3D.

O jogo permite partidas online até quatro jogadores, e oferece uma série de modos para experimentar. Todos contra todos, Team Deathmatch, e outros modos para equipas, fazem parte das opções. Parte do apelo de Drawn to Death é a capacidade de personalização em oferta. Podem escolher várias personagens, modificá-las visualmente, definir insultos específicos, agrupar armas, e outras opções semelhantes. Quanto à jogabilidade em si, é ação típica na terceira pessoa.

O conceito é disparar até o alvo morrer, mas Drawn to Death é algo chato nesta área, já que os oponentes exigem demasiado dano até morrerem. Para terem uma ideia de quão frustrante é a situação, podem chegar ao pé de um inimigo desprevenido, atirar um disparo à queima-roupa na sua cabeça, e isso nem metade da saúde irá roubar. Até as habilidades especiais deixam algo a desejar neste aspeto.

Existem jogos deste tipo que são gentis com as mecânicas de salto, permitindo saltar alto e com frequência. Drawn to Death é um desses jogos, e nós odiamos-lo por isso. A forma como os saltos funcionam em Drawn to Death significa que servem para sobretudo dificultarem a pontaria dos adversários, o que na prática significa que os jogadores passam as partidas a saltar de um lado para o outro. Não é de todo uma mecânica que nos encante.

Os mapas e o seu design também não ajudam. O jogo tenta acrescentar espaços amplos e alguma verticalidade aos mapas, mas quando o número máximo de jogadores numa arena é de quatro, esse design acaba por prejudicar imenso o ritmo de jogo. Isto pode provocar momentos de impaciência, enquanto tentam encontrar um dos dois adversários para enfrentar. Com este design de mapas e apenas quatro jogadores, Drawn to Death parece um labirinto sem vida.

Existem pequenas exceções no mapa, e alguns incluem áreas meio secretas que podem ser interessantes de explorar. Corredores apertados e escadas seguidas são algumas das melhores secções para batalhas, motivando algumas sequências de ação intensas. Nota ainda para a inclusão de "trampolins" que atiram o jogador pelo mapa. Um elemento retirado de jogos clássicos do género, como Quake e Unreal Tournament.

Como referimos em cima, Drawn to Death inclui uma gama generosa de opções de personalização, e existem aqui algumas referências óbvias a algo como God of War (o que não é surpreendente). Também existe uma boa variedade de armas, mas aqui o jogo mostra algum desequilíbrio. É normal que os jogos permitam desbloquear armas mais poderosas com o avançar das horas e do progresso, mas existem algumas armas tão poderosas que acabam por desequilibrar o jogo. O mesmo é também verdade para as personagens, onde também existem claramente mais poderosas que outras.

A completar este pacote está o sentido de humor, adequado ao conceito de um adolescente a desenhar no seu caderno. Memes, palavrões, e parvoíces, que raramente nos motivaram um sorriso. O jogo falha em ser divertido ou engraçado, e em vez de ser irreverente, o humor apenas parece forçado e inconsequente.

Drawn to Death é um jogo com ideias interessantes, em particular todo o conceito de se passar no caderno de um adolescente, mas a execução não acompanha o potencial da ideia. São vários fatores de design, equilíbrio, e jogabilidade, que no fim limitam Drawn to Death à mediocridade. Se ganharam acesso ao jogo via PS Plus, talvez mereça a experimentação, mas não podemos recomendar a sua compra a 20 euros.

A assistir

Preview 10s
Next 10s
Publicidade
Drawn to DeathDrawn to DeathDrawn to Death
Drawn to DeathDrawn to DeathDrawn to Death

A assistir

Preview 10s
Next 10s
Publicidade
04 Gamereactor Portugal
4 / 10
+
Conceito interessante e original. Alguns mapas engraçados. Boa variedade de armas.
-
Personagens e armas desequilibradas. Estilo de arte torna-se cansativo. Humor raramente consegue o efeito desejado. Sapo dos tutoriais é extremamente irritante.
overall score
Esta é a média do GR para este jogo. Qual é a tua nota? A média é obtida através de todas as pontuações diferentes (repetidas não contam) da rede Gamereactor

Textos relacionados

Drawn to DeathScore

Drawn to Death

ANÁLISE. Escrito por Sam Bishop

Uma ideia original do criador de God of War, perdida numa execução medíocre.



A carregar o conteúdo seguinte


Cookie

O Gamereactor utiliza cookies para assegurar que lhe proporciona a melhor experiência possível no nosso site. Se continuar, vamos presumir que está satisfeito com a nossa política relativa a cookies.