Cookie

O Gamereactor utiliza cookies para assegurar que lhe proporciona a melhor experiência possível no nosso site. Se continuar, vamos presumir que está satisfeito com a nossa política relativa a cookies.

Português
especiais
Hush: Into the Darkness

David Rodrigues: "O maior medo da equipa foi encarar o desafio que é Hush."

O Concept Artist de Hush: Into the Darkness explicou ao Gamereactor algumas das dificuldades por trás de uma produtora portuguesa.

Hush: Into the Darkness é um dos jogos portugueses mais reconhecidos do momento, ao ponto de ter sido um dos títulos independentes (embora tenham o apoio da Thegamewall) destacados pela Microsoft durante a E3 2015. Depois de 23 meses de produção, Hush: Into the Darkness está finalmente disponível no Steam, por € 9.99, e a produtora Game Studio 78 aproveitou a ocasião para apresentar o jogo na Fnac do Chiado, em Lisboa. David Rodrigues, Concept Artist do projeto, falou com o Gamereactor sobre a ideia por trás de Hush:

"O Hush é um jogo que se baseia na temática dos medos, sobretudo os que todos tínhamos em crianças, e tentar usar essa temática como mecânicas de jogo. Ao mesmo tempo queremos trazer ao de cima essa alegoria do que é medo, que é um exagero das nossas sensações pessoais. Basicamente pegámos nessas impressões e transformámos-las num jogo de aventura, em que o jogador se revê um bocadinho no papel da Ashley, que vai passando por esses medos - o medo do escuro, da trovoada, de fantasmas... medos mais comuns."

Jogabilidade Beta

A assistir

Preview 10s
Next 10s
Publicidade

Hush é portanto um jogo que se baseia em medos, mas qual terá sido o maior receio da Game Studio 78 durante os 23 meses de produção?

"Embora a equipa funcione excecionalmente bem, e seja muito diversificada, penso que o maior medo da equipa foi mesmo encarar o desafio de que o que é Hush. Começamos a trabalhar no jogo há praticamente dois anos, e não tínhamos a verdadeira noção do que o jogo se podia tornar. A exigência foi subindo e penso que houve um pouco esse medo, 'será que conseguimos dar resposta?' Felizmente aprendemos muito como equipa e houve grande entreajuda, que acabou por culminar no Hush que agora conseguem ver."

"A sensação de ter o jogo reconhecido pela Microsoft foi brutal. São esse tipo de eventos que também dão sentido ao nosso trabalho. Temos um grande nível de exigência connosco próprios, no que respeita ao tipo de jogo que queremos fazer, e que mensagem queremos transmitir às pessoas. Aparecer nesse tipo de eventos, e neste caso particular a E3, foi muito bom para nós. Foi uma 'milestone' para nós."

Embora a esmagadora maioria das produtoras portuguesas não consiga atingir o nível de reconhecimento que a Game Studio 78 conseguiu, são cada vez mais as produtoras promissoras em Portugal:

"Sempre houve potencial e vários profissionais que se formaram em determinadas áreas e que conseguiram levar um jogo como o Hush para a frente. Penso que é uma questão de conhecimento aplicado. Independentemente do tipo de jogo, nota-se essa ambição por parte das produtoras independentes, a autonomia de querer fazer algo diferente. Há maior exigência entre as equipas, e capacidade no que conseguem fazer."

Hush foi anunciado, inclusive até há pouco tempo, como um jogo para PC, Xbox One, PS4 e Wii U, mas a produtora parece ter mudado de ideias... para já. Hush: Into the Darkness só está, de momento, previsto para PC, mas isso pode mudar no futuro.

"Até há pouco tempo tínhamos o plano de lançar Hush para essas plataformas todas, mas entretanto houve uma mudança de planos e decidimos que se calhar era melhor manter o foco. O Hush Into the Darkness baseia-se no medo do escuro, e pensámos que seria melhor começar com algo mais controlado, algo a que pudéssemos dar resposta rápida, e então depois ramificar. Este primeiro episódio, Into the Darkness, será apenas para PC. Já temos as licenças e as autorizações para trabalharmos com várias plataformas, e também mais prática como estúdio. Agora vamos ver como será o futuro de Hush e do próprio Game Studio 78."

Hush: Into the DarknessHush: Into the DarknessHush: Into the Darkness

"É preciso ter noção de que pedir licenças à Sony, à Nintendo, à Microsoft, para ser um produtor para as suas plataformas e ter a autorização para lançar o jogo nas suas consolas, custa dinheiro. Não digo que é só esse o motivo, mas pela nossa experiência esse é um grande obstáculo. Felizmente tivemos a sorte de contar com essa felicidade, de conseguirmos as licenças, mas neste momento parece-me difícil para as produtoras independentes apostarem nessa vertente. Estão provalvemente muito mais preocupados em criar uma boa base para o seu jogo, para depois então, com uma boa base, ramificar."

Hush: Into the Darkness já está disponível no Steam, por € 9.99. Em baixo podem algumas imagens do evento de apresentação de Hush na Fnac do Chiado.

Hush: Into the Darkness
David Rodrigues, Concept Artist de Hush
Hush: Into the DarknessHush: Into the Darkness

Textos relacionados



A carregar o conteúdo seguinte